Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tu importas

Tu importas

07
Mai20

Ligar os pontos

Rute Borges

A vida dá tantas voltas que por momentos temos de voltar aos lugares onde viemos para redescobrir quem somos. Parar e respirar. Limpar o que há para limpar e deixar a vida responder. Sim, porque há momentos em que por mais que nos esforcemos não temos resposta à pergunta que mais nos atormenta: porquê? Aí paramos, respiramos, observamos, silenciamos e esperamos respostas. Elas surgem. Surgem mesmo, temos só de aceitar que a vida manda parar. Parar de resolver, responder, agir, perceber, entender. Paramos para depois ligar os pontos. E está tudo bem. Só temos de deixar o ar entrar e aguardar calma e atentamente o que ela nos sussurra.

3.jpg

 

06
Abr20

Não!

Rute Borges

Já dizia Einstein, todas as vezes que dizemos que sim quando queremos dizer não morre um bocadinho de nós. E morre mesmo, o teu amor próprio, o teu prazer, o teu ser, morres tu. Alugas-te, abusas-te, desrespeitas-te... Ocupas a tua vida de ocupas que apenas vivem porque te vão roubando bocadinhos da Tua vida. Deixa as mil tarefas, obrigações e vontades que não sendo as que queres no momento podem aguardar, ficar guardadas ou executadas por quem as deseja. Foco é isso, não deixes que nada nem ninguém te manipule, te conduza, que leve a ser aquilo que não és. Foco, é viver a vida que queres viver e que ninguém o viverá por ti. Foco és TU.

1.png

 

25
Mar20

As minhas pessoas

Rute Borges

Sabe bem quando encontramos pessoas interessantes, dizem alguns "a nossa santa se cruza", daquelas pessoas que a conversa flui, que nos puxam, assim como acontecia na meninice, nos agarravam pela mão e inventávamos castelos e piratas, cavaleiros e dragões com um monte trapos e paus que se enchiam de pó não fossemos nós os maiores imaginários do mundo. Gosto quando conheço gente assim, que fala que nem gente, sorri que nem gente, olha que nem gente, nos olhos, assim olho no olho, assim real, cheios de vida dentro do peito, de um mundo tão rico de tanto que vivem e sonham viver. Gosto de pessoas que vivem, que se dão e nunca adormecem na vida. Pessoas que nos ensinam que temos tanto para aprender e que nenhuma porta se fecha definitivamente mesmo quando a teimosia a enferruja. Gosto de rugas na cara e magia no coração. Gosto de gente que cheira a gente e que me transforma todos os dias em alguém melhor. Gosto da minha gente. Daquela que não precisa de ter, mas de ser. E como ouvi há muito tempo: "eu quero mais é ser feliz".

3.jpg

 

23
Mar20

Cascas e outras

Rute Borges

Dias cinzentos, dias menos bons, onde se tiram energias onde já não existem. Cansada, exausta, retirei a palavra luta do meu livro de cabeceira, rasguei mesmo a página, amachuquei e coloquei na parte mais funda do lixo. Porque que raio inventaram essa palavra que só nos cansa? A vida não pode ser isso, a vida é mágica, pelo menos foi aquilo que li no outro livro de cabeceira quando ainda agora tinha começado a juntar as sílabas. Direita, esquerda, espera vai em frente, volta atrás que por aí não tem saída. Percorrer, contornar, lá não falava nada de machados e martelos, era tudo fluido. Quem manda pegar no martelo? Dá a volta e contorna, quem sabe o muro não termina logo ali junto à cabeceira que falava de viagens e não de palavras que se escondem debaixo de cascas de laranja. 

1.jpg

 

03
Mar20

Resiliente

Rute Borges

A brotar no alcatrão, são eles selvagens, pertencentes ao Reino Fungi. Têm propriedades medicinais utilizados tradicionalmente por diversos povos do mundo. São assim como nós, resistentes e resilientes, atravessam as mais diversas dificuldades mas fazem por se fazer nascer e renascer. Admiro-os, conseguem sobreviver sem cuidado, sem amor, sem grande combustível e sem proteção. São livres. São únicos, são como nós. Um Amém a estes seres especiais que nos mostram um mundo de possibilidades. 🖤

1.jpg

 

11
Fev20

Era bom...

Rute Borges

Gostava que falasses, que me dissesses, que fizesses, que quisesses...

Gostava, mas não é real, é apenas um gostar meu, que tudo fosse diferente, que o passado longínquo fosse presente, que tudo estivesse diferente, lá onde os sonhos eram reais e onde a vida cavalitava a trote.

Tenho saudades desse tempo, onde era uma miúda que me reconhecia no espelho, que tinha orgulho em quem era, que conseguia lutar pelos seus objetivos.

Hoje estou definhada, sou apenas um bocado de mim... Onde está o resto? Por baixo de que pedras te escondes? Como deixei eu que me levassem parte de mim?

Ainda agora o espelho me disse: procura onde estás! Vai à luta por quem queres voltar a ser!

Falta a coragem. Só queria que falasses, que  me dissesses, que fizesses, que quisesses...

2.jpg

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D